Regulamento


Os Capítulos e Artigos não presentes neste documento são de interesse exclusivamente administrativos.

O Regulamento abaixo serve para a simples compreensão a respeito da avaliação e andamento dos Jogos Mundiais.

TÍTULO I
DOS PRINCÍPIOS GERAIS

Mestre Camisa já pensava na realização de uma competição de Capoeira, que não comprometesse a filosofia da capoeira e que promovesse a melhoria técnica dos capoeiristas. E no ano de 1997, Mestre Camisa realizou o I Jogos Mundiais de Capoeira, com todo sucesso e com a certeza de que seria apenas um pontapé inicial para seu objetivo.

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS – ABADÁ – CAPOEIRA

CAPÍTULO IV
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 5º – As disposições relativas ao sistema de disputa das competições, previstas neste Regulamento não poderão ser alteradas após o início da competição.
Art. 6º – A maior preocupação da Abadá Capoeira na elaboração deste regulamento foi possibilitar a realização de uma competição em que se preservassem ao máximo as características da Capoeira. Foi montado um sistema de competição e avaliação em que os pontos serão dados aos jogos e não ao capoeirista individualmente. O capoeirista jogará com diversos outros jogadores, acumulando para si os pontos a cada jogo. Efetivamente o capoeirista não deve estar preocupado somente com o seu desempenho individual em cada jogo, mas explorar ao máximo as possibilidades e potencialidades de adequação do jogo as capacidades e limitações de seus adversários, para que desta maneira conseguir uma boa nota final para o jogo.

CAPÍTULO V
DAS DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS
Art. 7º – Compete exclusivamente à ABADÁ – CAPOEIRA (Associação Brasileira de Apoio e Desenvolvimento da Arte – Capoeira), à coordenação das competições por ela programadas.
Parágrafo único – As ações administrativas e operacionais locais referentes às competições serão da exclusiva responsabilidade da federação local.
Art. 8º – Será intitulada uma Comissão dos Jogos para auxiliar e resolver possíveis questões a qualquer relação aos Jogos
§ 1°- A Comissão dos Jogos será formada por:
a) Coordenação Geral – Mestre Camisa;
b) Direção Técnica – Mestres e mestrandos:
c) Direção operacional – Pessoas autorizadas, mediante aprovação do Mestre Camisa.
Art. 9º – Compete à Comissão dos Jogos: providenciar todas as medidas locais de ordem técnica e administrativa necessárias para a plena realização dos Jogos.
Art. 10º – Compete ao Mestre de Cerimônias dos Jogos:
a) Convidar Competidores, jurados e pessoas autorizados a subir no palco.
b) Anunciar o início dos Jogos.
c) Convocar os jogadores, suas fases e toques.
d) Agradecimentos aos patrocinadores e apoiadores.
e) Incentivar o público.
Art. 11º Obrigatória a presença de Ambulância UTI em um local de fácil acesso aos competidores.
Art. 12 º – Durante os Jogos, somente os atletas e pessoas autorizadas poderão permanecer dentro da roda.

CAPÍTULO VI
DOS JOGOS
Art. 13º – Os jogadores serão distribuídos em chaves de 04 participantes, onde todos jogam entre si nas chaves. Em cada fase o capoeirista jogará 03 vezes, sendo cada jogo em um ritmo diferente, “São Bento Grande”, “Iúna” e “Angola” ou “Benguela”
Passarão para a fase seguinte o primeiro colocado de cada chave e o restante que somarem mais pontos independentes de chaves.
Art. 14º – Categorias:
a) Categoria C: Azul e Azul e Verde
b) Categoria B: Verde e Verde e Roxa
c) Categoria A: Roxa a Marrom e Vermelha
d) Categoria B (Feminino): Azul a Verde e Roxa
e) Categoria A (Feminino): Roxa a Marrom e Vermelha
Art. 15º – Peso:
a) Peso Viola – até 76,9 kg
b) Peso Médio – de 77 kg a 85.9 kg
c) Peso Gunga – A partir de 86 kg
§ 1°- Apenas as Categorias Masculinas terão divisão por peso
§ 2°- A pesagem deverá ser feita na semana da competição, antes das classificatórias.
§ 3°- No dia da pesagem, o competidor terá uma margem de erro de três kgs para mais ou para menos. Se a diferença for maior, o competidor será desclassificado.
§ 4°- A ficha de inscrição do Competidor só será validada com a informação do peso.
Art. 16º – Classificatórias:
§ 1°- As classificatórias poderão ser realizadas antecipadamente à competição principal e o formato, assim como o corpo do júri deverá ser o mesmo da competição principal.
Art. 18º – Os Toques:
a) Toque de Benguela – 50”
b) Toque de Iúna – 60”
c) Toque de São bento Grande – 45”
d) Toque de Angola – 120”
§ 1°- Dentro de cada fase, os toques se intercalam.
§ 2°- O competidor terá que jogar os três toques a cada rodada.
Art. 19º – Critério de Desempate:
Primeiro critério de desempate, a nota total do jogo de São Bento Grande. Em caso de novo empate, a nota total do jogo de Benguela e em caso de permanência do empate os jogadores disputarão na avaliação do toque de berimbau (escolhido pelo jogador) e na cantiga apresentada (escolha do jogador).
Art. 21º – Pontuação: Os principais fatores avaliados em um jogo são: Caracterização, Fundamentos, Continuidade e Criatividade.
§ 1°- A cada etapa os pontos serão zerados.

CAPÍTULO VII
DA PREMIAÇÃO
Art. 22º – Para cada Categoria e Peso
a) Melhor Corda (Individual)
b) Melhor jogo (Dupla): Angola, Benguela, Iúna e São Bento Grande
c) Colocação geral: 4º; 3º; 2º; 1º

CAPÍTULO VIII
DA CONDIÇÃO DE JOGO DOS ATLETAS
Art. 23º – Somente poderão participar dos jogos os competidores que sejam filiados a ABADÁ – Capoeira.
Art. 24º – Apenas os jogadores que realizaram suas inscrições dentro dos prazos especificados poderão participar dos jogos.
Parágrafo único – A ABADÁ – Capoeira utilizará meio eletrônico para os procedimentos de registro, documentação e inscrições.
§1°- Ao Competidor: É indispensável à apresentação do Atestado Médico no ato do check-in.
Art. 25º – Os regulamentos de cada competição deverão definir os prazos
De inscrição e entrega de documentos
Art. 26º – Os capoeiristas devem estar uniformizados e com a camisa que representa a sua cidade, estado, região ou país.
§1°- Em caso de acidente, ou da impossibilidade de continuar na competição fica estabelecido que a cada etapa seja definido por critério de pontuação dois competidores reservas por categoria.

CAPÍTULO X
DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES
Art. 28º – Qualquer decisão sobre penalidade ou expulsão de um competidor será de inteira responsabilidade da Comissão de Júri.
Art. 29º – O descumprimento das normas deste regulamento, assim como dos regulamentos de cada competição, sujeitará o infrator às seguintes penalidades:
a) advertência;
b) desligamento da competição.
Art. 30º – As perdas de pontos serão individuais.
Acontecerão se o capoeirista:
a) Acertar intencionalmente o companheiro com um golpe traumatizante fora do contexto (menos 2 pontos)
b)Se o competidor atingido ficar impedido de seguir na competição, o agressor será eliminado da competição (caso a comissão organizadora entenda que houve dolo – intenção de machucar o adversário)
d) Técnica mal executada (menos 01 ponto)
e) Descaracterização do jogo (menos 01 ponto)
f) Inadequação dos fundamentos (menos 01 ponto)

CAPÍTULO XI
DOS JURADOS
Art. 31º – Compete ao Júri:
a) Conhecimento integral do regulamento
b) Análise imparcial dos atletas
c) Decisões de desclassificação de algum competidor
Art. 32º – Corpo do júri deve ser preferencialmente composto por três integrantes e mais dois, caso o aluno do jurado esteja competindo naquele momento.
§ 1°- O corpo de jurados deverá ser composto por pelo menos um Mestre ou Mestrando
§ 2°- Nas competições nacionais e internacionais o corpo de jurados deverá ser composto exclusivamente por Mestres e Mestrandos
§ 3°- Os jurados, ao se apresentarem para o exercício de suas funções, deverão estar regularmente uniformizados.
Art. 33º – A escolha dos jurados ficará a cargo da Comissão dos jogos.

CAPÍTULO XIII
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 36º – CASOS OMISSOS
Os casos omissos neste regulamento serão analisados e julgados pela comissão organizadora dos Jogos e os jurados.